Equipamentos Avançados em Holter e MAPA
Notícias

Avaliação do Descenso Noturno da Pressão Arterial


Para avaliar as implicações prognósticas do descenso noturno da Pressão Arterial foi feita uma meta-análise com estudos clínicos de 3 continentes, 7 coortes da Europa, 2 do Japão e 1 do Brasil, incluindo um total de 17.312 pacientes com hipertensão arterial. Todos os pacientes realizaram monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA) na entrada dos estudos e foram acompanhados por um tempo médio de 4 a 8 anos.

O objetivo foi avaliar a importância prognóstica do descenso noturno da PA sistólica, PAS, independente dos níveis de PAS médios de 24h.

Os padrões de descenso noturno foram categorizados como padrão dipper ou não-dipper e adicionalmente subdivididos em 4 grupos:
1. Dipper normal (descenso entre 10 e 20% da PAS noturna em relação à PAS diurna, o grupo de referência);
2. Dipper reverso (descenso menor que 0%, ou seja, elevação da PAS noturna);
3. Dipper reduzido (descenso entre 0 e 10%);
4. Dipper extremo (descenso maior que 20%).

O desfecho primário foi a ocorrência de eventos cardiovasculares fatais ou não fatais, que na maioria das coortes foi um composto de:
• Infarto agudo do miocárdio;
• Acidente vascular encefálico;
• Morte por doença cardiovascular.
Os desfechos secundários foram os componentes do desfecho primário:
Eventos coronarianos;
Eventos cérebro-vasculares;
Morte cardiovascular separadamente, e;
Mortalidade total por qualquer causa.

Durante o acompanhamento ocorreram:
1769 eventos cardiovasculares totais;
916 eventos coronarianos;
698 acidentes vasculares cerebrais;
903 mortes totais, e;
450 mortes por doença cardiovascular.

A razão noite/dia da PAS foi preditora de todos os desfechos avaliados, independente da PAS média de 24h (embora, como esperado, a PAS de 24h tenha sido ela própria um preditor mais forte que a razão noite/dia da PAS).

Em relação aos diferentes padrões de descenso noturno observamos:
1. O padrão não-dipper, que compreende o dipper reverso e dipper reduzido, foi preditor de todos os desfechos, exceto de eventos coronarianos, em relação ao padrão dipper (descenso ≥10%);
2. O padrão dipper reverso (elevação noturna), foi preditor de todos os desfechos, e é o padrão de maior gravidade de prognóstico cardiovascular.
3. O padrão dipper reduzido (descenso entre <10 e ≥0%) foi preditor apenas dos eventos cardiovasculares totais, mas não de seus componentes separadamente;
4. O padrão dipper extremo (ou dipper exacerbado, descenso ≥20%) não foi preditor de qualquer desfecho nas análises globais, mas a heterogeneidade entre as coortes foi significativamente elevada, particularmente para os eventos cardiovasculares totais, sugerindo imprecisão nas estimativas de risco.

Para elucidar os motivos desse comportamento, foi realizada uma meta-regressão das características específicas dos diferentes grupos e encontramos, que a presença de pacientes tratados ou não-tratados para hipertensão explicava completamente essa heterogeneidade do valor prognóstico do padrão dipper extremo, mostrando os seguintes resultados antagônicos:

Enquanto nos grupos de pacientes em tratamento anti-hipertensivo o padrão dipper extremo foi protetor para a morbidade cardiovascular, nas coortes que incluíram somente pacientes não-tratados, o padrão dipper extremo se associou a maior risco cardiovascular.

Em conclusão, essa meta-análise, a maior já realizada com pacientes hipertensos, demonstra claramente a importância prognóstica do descenso noturno da PA, de forma independente e adicional aos níveis médios de PA na MAPA de 24h.

#61 AGO-SET 2016

Av. Paulista, 509 - 1º andar - CEP 01311-910 - Paraiso - São Paulo / SP - Tel: 3883-3030

Web |